Calendário de provas
Prova de seleção para mestrado

03/12 (14h)
Local: ENBT
Rua Pacheco Leão. 2040

Prova de inglês para doutorado
05/12 (14h)
Local: ENBT
Rua Pacheco Leão. 2040

Inscrição e seleção para os cursos de mestrado e doutorado do Programa de Pós-graduação em Botânica da Escola Nacional de Botânica Tropical do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, para o ano de 2008.

Atenção: a bibliografia para seleção de mestrado encontra-se disponível para cópias na Biblioteca Setorial da Diretoria de Pesquisas do Jardim Botânico, localizada na Rua Pacheco Leão, 915, Horto.

As inscrições para o exame de seleção deverão ser efetuadas no período de 15 de outubro a 14 de novembro de 2007, diretamente na secretaria da Escola Nacional de Botânica Tropical ou enviadas por formulário eletrônico encontrado no sítio http://jbrj.gov.br/posgraduacao (acesso no link abaixo).

Para formalização da inscrição, os Documentos necessários deverão ser entregues diretamente na ENBT até 14 de novembro ou enviados pelo correio, em encomenda registrada com data de postagem até 14 de novembro, para o seguinte endereço:

ENBT/JBRJ
Comissão de Seleção de Pós-Graduação

Rua Pacheco Leão, 2040
20460-030 Rio de Janeiro, RJ
Brasil


DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

Os documentos necessários para inscrição em uma das três áreas de concentração do PPG, a saber; Diversidade Vegetal em Ecossistemas Neotropicais; Conservação Vegetal em Ecossistemas Neotropicais; e Paisagem, Estrutura e Funcionamento de Biomas e Ecossistemas são os seguintes:

Docentes com Vagas Disponíveis para Ingressantes em 2008


ETAPAS DE AVALIAÇÃO

DOUTORADO

O processo de seleção para os candidatos ao doutorado será realizado através da avaliação do projeto de tese, prova de inglês, análise do curriculum vitae e do histórico escolar e entrevista.

No projeto de tese do candidato deverão constar os seguintes itens: Título, Nome do candidato e do orientador pretendido, Introdução, Objetivos geral e específicos, Material e métodos, Justificativa, Cronograma de execução, Previsão de custos, Previsão de produção intelectual e Referências bibliográficas. O projeto deve ser editado em Microsoft Word, folha tamanho A4, com margens de 2,5 cm, fonte Times New Roman, corpo 12, espaçamento 1,5 e alinhamento justificado e ser impresso em apenas um lado do papel. Todas as páginas devem ser numeradas consecutivamente. O projeto deve ter no máximo 12 páginas.

O projeto será avaliado por sua forma e clareza, considerando: a - definição, delimitação e contextualização do tema do trabalho, hipóteses e objetivos; b – desenvolvimento e coerência entre os itens do projeto; c - adequação metodológica aos objetivos traçados e sua exeqüibilidade; d – produtos esperados (artigos científicos, capítulos de livros, produtos tecnológicos, etc).

A prova de inglês constará da interpretação de um texto relacionado à botânica, com até 400 palavras, pelo período de 60 minutos, sendo permitido o uso de dicionário.

Os currículos dos candidatos deverão ser elaborados de acordo com o modelo fornecido pela PPG (modelo - doutorado) e devem ser comprovados através de cópias de certificados e declarações. Os documentos comprobatórios do currículo devem estar numerados e organizados na mesma seqüência numérica dos itens do currículo.

Na entrevista, serão abordadas questões referentes ao curriculum vitae, histórico escolar, dissertação de mestrado, projeto de pesquisa, capacidade de compreensão e interpretação de temas específicos, enquadramento do projeto às linhas de pesquisa do JBRJ e disponibilidade do candidato em se dedicar aos estudos no período diurno.


MESTRADO

O processo de seleção para os candidatos ao mestrado será realizado numa primeira fase através de uma prova escrita eliminatória e numa segunda fase para os candidatos aprovados na prova escrita, através da avaliação do plano de trabalho, de análise do curriculum vitae e do histórico escolar e em uma entrevista.

A prova escrita será constituída por questões referentes a conhecimentos em Botânica geral e de conhecimentos específicos de uma das três áreas de concentração do Programa de Pós-graduação. A prova será composta por 20 (vinte) questões, sendo 8 (oito) de Botânica geral e 12 (doze) questões específicas da área de concentração escolhida. O candidato deverá responder 10 (dez) questões, sendo 4 (quatro) de Botânica geral e 6 (seis) da área de concentração específica. A área de concentração escolhida pelo candidato e seu orientador pretendido deve refletir a proposta de plano de trabalho e deverá ser indicada na carta de aceitação do orientador. A prova será elaborada com base em bibliografia listada no seguinte sítio: http://www.jbrj.gov.br/formularios/inscricao/bibliografia2007.htm. Serão aprovados para a segunda fase do processo de seleção, os candidatos que obtiverem a nota mínima 6,0 (seis), sendo que a nota da prova será de 0 (zero) a 10 (dez).

O plano de trabalho de dissertação, com a anuência do orientador pretendido, deverá ter no máximo duas páginas e conter os seguintes termos: título do projeto de dissertação, linha de pesquisa do P.P.G. na qual se insere; introdução sucinta, objetivos e justificativa; metodologia e cronograma resumidos e potencial de produção intelectual (artigos científicos, capítulos de livros, produtos tecnológicos etc).

Os currículos dos candidatos deverão ser elaborados de acordo com o modelo fornecido pela PPG (
modelo - mestrado) e devem ser comprovados através de cópias de certificados e declarações. Os documentos comprobatórios do currículo devem estar numerados e organizados na mesma seqüência numérica dos itens do currículo.

Na entrevista, serão abordadas questões referentes ao curriculum vitae, histórico escolar, plano de trabalho, capacidade de compreensão e interpretação de temas específicos, enquadramento do plano às linhas de pesquisa do JBRJ e disponibilidade do candidato em se dedicar aos estudos no período diurno.

A bibliografia na qual as provas estarão baseadas:

Parte Geral e Conceitual de Botânica.

Raven, P. H., Evert, R. F. e Eichhorn, S. E. 2007. Biologia Vegetal. Guanabara Koogan. 7ª. ed.
Seção 2: Capítulo 7 - Fotossíntese, luz e vida. Páginas 125-151.
Seção 3: Capítulo 11 - O processo de Evolução. Páginas 213-233.
Seção 4: Capítulo 12 - Sistemática: A Ciência da Diversidade Biológica. Páginas 235-253.
Seção 5: Capítulo 23. Células e Tecidos do Corpo da Planta. Páginas 528-545.
Seção 7: Capítulo 31 - A dinâmica de comunidades e ecossistemas. Páginas 707 - 726.
Capítulo 32 – Ecologia Global. Páginas 727-752.

Oliveira, E.C. 2003. Introdução à Biologia Vegetal. EDUSP. São Paulo. 2ª ed.
Capítulo 7 - Os grandes grupos de organismos fotossintetizantes. Páginas 127-223.

Rizzini, C.T. 1997. Tratado de Fitogeografia do Brasil. Rio de Janeiro. Âmbito Cultural. Edições Ltda. 2ª. ed.
Capítulo C – Vegetação. Páginas 309-349.

Cardoso, V. J. M. Germinação. In: Gilberto Barbante Kerbauy. (org.). Fisiologia Vegetal. 1 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004, p. 386-408.


Área de Concentração – Diversidade Vegetal em Ecossistemas Neotropicais.

Dickinson, W. C. 2000. Integrative Plant Anatomy. Academic Press, San Diego, California.
Capítulo 5 - Evolution and systematics. Páginas 205-236.
Capítulo 8 - Ecological anatomy. Páginas 295-338.

Barroso, G. M., Peixoto, A.L., Costa, C.G. & Ichasso, C.L.F. 2004. Sistemática de Angiospermas do Brasil. Ed. UFV.
vol. 1. 2ª. ed. (2004). Parte 1, páginas 17-37; Ordem 1 - Magnoliales. Páginas 46-64.
vol. 2. 1ª.ed. (1984). Ordem Rosales: Leguminosae. Páginas 15-90; Ordem Myrtales. Páginas 107-158.
vol. 3. 1ª. ed. (1986). Ordem Gentianales. Páginas 6-55; Rubiales. Páginas 189-206.

Raven, P. H., Evert, R. F. e Eichhorn, S. E. 2007. Biologia Vegetal. Guanabara Koogan. 7ª. ed.
Seção 4: Capítulo 14 – Fungos. Páginas 277-312.
Capítulo15 – Protistas: Algas e Protistas Heterotróficos (Heterótrofos). Páginas 313-361.
Capítulo 16 – Briófitas. Páginas 362-385.
Capítulo 17 – Plantas vasculares sem sementes. Páginas 386-425.
Seção 5: Capítulo 24 - Raiz: Estrutura e Desenvolvimento. Páginas 546-564.
Capítulo 25 - O Sistema Caulinar: Estrutura Primária e Desenvolvimento. Páginas 565- 597

Judd, W.S.; Campbell, C.S.; Kellogg, E.A., Stevens, P.F. & Donoghue, M.J. 2002. Plant Systematics: A phylogenetic Approach. Sinauer Associets, Inc. USA. 2a.ed.
Capítulo 9: Phylogenetic Relationships of Angiosperms. Páginas 217-223.

Basal families”; “Magnollid Complex”. Páginas 223-241.
Monocots: Alismatales.
Páginas 242-247; Zyngiberales. Páginas 292-297.
Eudicots: Fabales. Páginas 356-361; Myrtales. Páginas 393-402; Gentianales. Páginas 444-451.


Área de Concentração - Conservação Vegetal em Ecossistemas Neotropicais.

Matioli, S.R. 2001. Biologia Molecular e Evolução. Holos Editora.
Capitulo 17: Biodiversidade molecular e genética da conservação. Páginas 172 - 192

Laird. S. A. (Coord.) 2002. Biodiversidad y conocimiento tradicional – participación equitativa em práctica.
Capítulo 1 – Estabeleciendo los fundamentos: relaciones equitativas de la investigación sobre biodiversidad. Páginas 41-52.

Primack, R.B. & Rodrigues, E. 2001. Biologia da Conservação. Londrina.
Capitulos 1, 2, 3 e 4. Páginas 1- 266.

Martin, G. (1995). Ethnobotany – A People and Plants Manual. Chapman and Hall.
Capítulo 8 - Etnobotánica, conservación y desarrollo comunitário. Páginas 200-226.

BCGI & UNEP. 2006. Estratégia Global para Conservação de Plantas. Páginas 1-7.

Engelmann, F.; Engels, J.M.M. Technologies and Strategies for ex situ Conservation. In: J.M.M. Engels, V. Ramanatha Rao, A.H.D. Brown and M.T. Jackson (Eds.). Managing Plant Genetic Diversity. IPGRI, 2002, p. 89-103.
Acesso em: http://www.bioversityinternational.org/Publications/727/pdf/0851995225Ch9.PDF

Área de Concentração – Paisagem, Estrutura e Funcionamento de Biomas e Ecossistemas.

Ricklefs, R. E. 2001. A Economia da Natureza. 5a. edição. Ed. Guanabara Koogan.
Capítulo 6 - A energia no Ecossistema. Páginas 117-132.
Capítulo 7 – As vias dos Elementos no Ecossistema. Páginas 133-149.
Capítulo 9 – Adaptação à Vida em Ambientes Variantes. Páginas 168- 184.
Capítulo 13 – Estruturas Populacionais. Páginas 235-249.
Capítulo 21 – Estrutura da Comunidade. Páginas 368 –387.
Capítulo 22 – O Desenvolvimento da comunidade. Páginas 388-405.
Capítulo 23 – Biodiversidade. Páginas 406 – 423.
Capítulo 24 – História e Biogeografia. Páginas 424 – 442.

Pereira, R. C. & Soares-Gomes, A. 2002. Biologia Marinha, Ed. Interciência.
Capítulo 8 – Bentos de Costão Rochoso. Páginas 147-158.
Capítulo 10 – Produção Primária Marinha. Páginas 195-227.
Capítulo 11 – Recifes Biológicos. Páginas 229-248.
Capítulo 13 – Ecologia Química Marinha. Páginas 281-310.

Townsend, C.R. , Begon, M & . Harper J.L. 2006. Fundamentos em Ecologia . Porto Alegre. Artmed.
Capítulo 3 - As condições físicas e a disponibilidade de recursos. Páginas 101-139.
Capítulo 4 - As condições, os recursos e as comunidades. Páginas 141-179.
Capítulo 5 - Natalidade, mortalidade e dispersão. Páginas 183-219.
Capítulo 9 - Processos em populações: o grande cenário. Páginas 333-370.
Capítulo 10 - Padrões na riqueza em espécies. Páginas 371-406.
Capítulo 11 - O fluxo de energia em matéria através dos ecossistemas. Páginas 407-437.
Capítulo 14 - Biologia da conservação. Páginas 515-550.

 

CRONOGRAMA DE SELEÇÃO 2007

Mestrado

 

Lançamento edital

12 de setembro de 2007

Período de inscrição

15 de outubro a 14 de novembro

Prova escrita

03 de dezembro

Divulgação do resultado da prova escrita

05 de dezembro

Entrevistas

06 e 07 de dezembro

Divulgação do resultado final

17 de dezembro

Prazo final para recursos

21 de dezembro

Resultado dos recursos

22 de janeiro de 2008

Prazo final para retirada de material de inscrição

22 de janeiro de 2008

 

Doutorado

 

Lançamento edital

12 de setembro de 2007

Período de inscrição

15 de outubro a 14 de novembro

Prova de inglês

05 de dezembro

Entrevistas

06 e 07 de dezembro

Divulgação do resultado

17 de dezembro

Prazo final para recursos

21 de dezembro

Resultado dos recursos

22 de janeiro de 2008

Prazo final para retirada de material de inscrição

22 de janeiro de 2008

O Processo de Seleção de candidatos para Pós-Graduação do JBRJ é de responsabilidade da Comissão de Seleção, que pode solicitar juntamente com a Coordenação do Programa de Pós-Graduação, a colaboração de docentes do P.P.G. ou de outras Instituições de Pesquisa e Ensino. Os recursos devem ser encaminhados pelo aluno, por escrito, à coordenação do P.P.G. A Comissão de Seleção e a Coordenação do Programa de Pós-Graduação têm a prerrogativa de dirimir as dúvidas ou casos omissos não incluídos neste edital.