Questão fundiária do Horto
1/2/2011

Alguns esclarecimentos aos moradores do Jardim Botânico

Em resposta a dúvidas expostas pelo sr. presidente da Associação de Moradores e Amigos do Jardim Botânico (AMAJB), a administração do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ) esclarece que:

- Não existe nenhum projeto faraônico nos planos desta administração.

- O mapa anexado pelo presidente da AMAJB em sua mensagem foi elaborado pela UFRJ a pedido da Secretaria de Patrimônio da União, e não conta com a aprovação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

- As casas que se encontram na área do arboreto (parque) são e sempre foram consideradas pela administração do JBRJ como prioritárias para remoção.

- O Museu do Meio Ambiente, localizado ao lado da entrada principal do JBRJ, não tem qualquer relação com a questão fundiária. O projeto da expansão do Museu foi selecionado em concurso público nacional organizado pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil – IAB-RJ e conta com a aprovação do IPHAN, respeitando a mancha das construções já existentes. Além disso, segundo laudo do IPHAN, os projetos da direção do JBRJ “nas imediações do prédio da Biblioteca não vão representar nenhum dano maior ao patrimônio arqueológico exaurido e praticamente inexistente no local”.

- O projeto do Museu poderá ser apresentado aos associados da AMAJB, caso seja de seu interesse.

- O ofício anexado pelo presidente da AMAJB em sua mensagem é de responsabilidade do procurador que o assina. O procurador não está subordinado ao presidente do Jardim Botânico do Rio de Janeiro e é autônomo para emitir sua opinião – o que fez em ofício que não é do JBRJ e sim em papel timbrado do órgão ao qual o procurador está vinculado.

- O Jardim Botânico vem se empenhando no diálogo com outros órgãos da União na busca de uma solução negociada para a questão fundiária do Horto que respeite os interesses da instituição, principalmente no que se refere ao plano de expansão do arboreto, à conservação da mata atlântica nas suas imediações e à integração do parque com a Escola de Botânica Tropical, situada no final da rua Pacheco Leão.

- Para evitar polêmica estéril, sugerimos que a AMAJB tenha mais cuidado com a comunicação a seus associados para não confundir interpretações subjetivas com a realidade dos fatos.

Assessoria de Comunicação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro

 

 

 

 

 

volta à primeira página