Barbosa Rodrigues é tema de seminário no Jardim Botânico do Rio de Janeiro
9/10/2009

Barbosa Rodrigues

A Escola Nacional de Botânica Tropical – ENBT/JBRJ e a Casa de Oswaldo Cruz – COC / Fiocruz promovem, de 21 a 23 de outubro, o seminário João Barbosa Rodrigues: um naturalista brasileiro. O evento acontece por ocasião do centenário de morte desse que foi um dos nomes mais notáveis da ciência do país na segunda metade do século XIX e primeira década do século XX.

Coincidentemente, no centenário de morte de João Barbosa Rodrigues (1842-1909) acontece a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (19 a 25/10), que tem como tema “A Ciência no Brasil”. Nada mais oportuno, assim, do que trazer à cena esse que foi um dos luminares da ciência nacional, discutir o seu legado e, principalmente, a atualidade das questões propostas por ele em sua obra.

Com caráter interdisciplinar – reunindo historiadores, museólogos, ilustradores científicos, botânicos, antropólogos e cientistas sociais – o Seminário abordará, entre outras coisas, parte da história das expedições científicas pelo interior do país, do desenvolvimento da botânica e da ilustração científica no Brasil.

Seminário João Barbosa Rodrigues: um naturalista brasileiro
De 21 a 23 de outubro de 2009
Escola Nacional de Botânica Tropical – ENBT/Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Rua Pacheco Leão, 2040 – Solar da Imperatriz, Horto.
Inscrições: até 20 de outubro, pelo telefone 3875-6205 ou email: aldaheizer@jbrj.gov.br
Evento gratuito. Vagas limitadas. Os participantes inscritos que tiverem no mínimo 70% de presença receberão certificados.

Veja a programação do Seminário


Sobre Barbosa Rodrigues

João Barbosa Rodrigues dedicou-se à botânica, à etnografia, à arqueologia, à fisiologia e à farmacologia, entre outras disciplinas. Nos anos de 1870, pesquisou intensamente na Amazônia brasileira, coletando e herborizando principalmente palmeiras e orquídeas. Fez também importantes contribuições para o conhecimento de línguas e culturas indígenas dessa região.

Pela relevância de seus estudos botânicos e etnobotânicos, foi indicado como diretor do Jardim Botânico de Manaus, em 1883. Em 1890, tornou-se diretor do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, trazendo grandes mudanças para a instituição. Em sua gestão, a pesquisa botânica no JBRJ ganhou novo impulso, com maior interesse nas espécies nativas do território brasileiro. Um dos marcos de sua gestão foi também a instalação do chafariz central.

Ilustração de Barbosa Rodrigues
Ilustração de Barbosa Rodrigues

 

 

 

 

 

volta à primeira página