Museu comemora aniversário com programação especial
12/6/2013

chafO Museu do Meio Ambiente comemora seu aniversário e os 205 anos de fundação do JBRJ, no dia 13 de junho, com programação que traz Debate e retrospectiva do Programa Educativo para crianças e adultos.

A equipe do Programa Educativo do Museu do Meio Ambiente organizou uma retrospectiva de suas várias atividades, que inclui passeios temáticos pelo Jardim, “contação” de histórias, jogos e muito mais. Todas as atividades são recomendadas para idades acima de 6 anos. Confira:

9h - Trajeto: “Biodiversidade” - trabalha o conceito da Biodiversidade e sua utilidade na vida do ser humano. Percurso pelas aleias do Jardim Botânico até o Canteiro de Plantas Medicinais, onde é realizada atividade com desenho, forma, e silhueta da morfologia externa das plantas, propondo uma pesquisa sobre as plantas encontradas no caminho e o seu uso medicinal.

10h - Viveiro: “Câmara-Mutante“ - os participantes aprendem o funcionamento da câmera escura, aprofundando a percepção dos fenômenos da visão. Vestidos com câmaras escuras feitas de papelão, eles observam o funcionamento do equipamento em movimento pelo Arboreto, refletindo sobre a evolução da vida e a relação do homem com a tecnologia.

11h - Hora do Conto: "O Gene da Terra" - são narradas duas versões da origem da Terra: a criação do mundo pelas mãos de Deus e a evolução do planeta aos olhos da ciência. A narrativa é um fio condutor para trabalhar a compreensão do conceito de Gênesis, nome da exposição de Sebastião Salgado em cartaz no Museu. Jogos de luz, sombras e música compõem uma atmosfera envolvente.

12h - Viveiro: "Borboletando"- experimentação corporal que faz pensar sobre o tempo e as diversas metamorfoses pelas quais passamos. Utilizando “flags”, os participantes investigam as formas que o tecido ganha em contato com o ar e com o corpo, e assim se transformam em agentes polinizadores: borboletas. A atividade promove a reflexão sobre o equilíbrio e a manutenção das espécies, mediando questões sobre sustentabilidade, biodiversidade e preservação do planeta.

13h - Trajeto: “Água” - percurso pela coleção de cactos, monumentos, bromélias, a cascata e o Lago Frei Leandro, levan à percepção da água de outras maneiras. Vemos a água onde ela não está, ouvimos onde não a vemos e abordamos sua importância, suas formas e os modos pelos quais os seres vivos se adaptam para manter esse bem tão precioso disponível.

14h - Jogo: “Detetives Ambientais” - trabalho em equipe, numa gincana de conhecimentos sobre patrimônio histórico, cultural e ambiental. Os participantes serão divididos em grupos e receberão bússola, colares, cartucheiras, lupas, bandeiras e mapas. Sua primeira missão: desvendar a charada inicial. A resposta será o destino da próxima parada, um ponto interessante no arboreto do Jardim Botânico. Lá encontrarão novas descobertas e novas direções, refletindo sempre sobre Meio Ambiente.

15h - Hora do Conto: “As Sombras do Jardim” - a história do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, desde as aventuras de Luiz de Abreu Viera e Silva que, no século XIX, foi rendido com sua tripulação pela marinha francesa e levado como prisioneiro às Ilhas Mauricius, de onde escapou trazendo para o Brasil mudas de plantas valiosas, até a atualidade, com o papel do JBRJ na criação de Unidades de Conservação no país.

16h- Viveiro: “Mapeamento” - o conceito de paisagem é ampliado nessa atividade, criando um vínculo entre o Museu do Meio Ambiente e a casa dos visitantes, acrescentando novos olhares sobre os espaços comuns e trabalhando a apreensão do mundo como uma criação individual crítica – cultural - histórica. Percebe-se durante a atividade diferenças entre Paisagem Natural e Humanizada e as tensões existentes entre elas.

Debate "Olhares sobre o Jardim",

O Debate, que começa às 15h, reunirá pensadores de diferentes áreas, que têm no Jardim Botânico, mais do que um objeto de estudo, uma referência sentimental.

Na mesa de debates estarão Sergio Besserman Vianna, ambientalista e professor do Departamento de Economia da PUC (RJ). Atualmente na Prefeitura do Rio de Janeiro, Besserman já presidiu o Instituto Pereira Passos e foi diretor no BNDES. O economista traz recordações de suas vivências pessoais do Jardim Botânico do Rio.

Em seguida, a cientista política Isabel Lustosa passeia entre a literatura e a história na busca de referências dos cronistas da cidade do Rio de Janeiro sobre a bicentenária instituição. Lustosa é pesquisadora da Fundação Casa de Rui Barbosa e especialista em história da imprensa brasileira.

Na sequência, Heloisa Maria Bertol Domingues, historiadora, pesquisadora e diretora do Museu de Astronomia (MAST) traz reflexões sobre o elo entre museus e coleções e a história natural.

Por fim, Rafaela Campostrini Forzza, doutora em Botânica e pesquisadora do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, curadora do Herbário da instituição e coordenadora do projeto Reflora e da Lista de Espécies da Flora do Brasil (JBRJ) fala da importância dos jardins botânicos e das coleções científicas na atualidade.

A mediação do evento fica por conta de Henrique Lins de Barros, diretor da Escola Nacional de Botânica Tropical do JBRJ, biofísico e pesquisador do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e a abertura, a cargo da presidente do Jardim Botânico do Rio de Janeiro Samyra Crespo, funcionária pública de carreira, pesquisadora titular do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) nas áreas de História Social da Educação e da Ciência, atuante na área ambiental há mais de 20 anos.

O Museu do Meio Ambiente fica na Rua Jardim Botânico, 1008, e a entrada é gratuita.

Veja a programação completa do 205º Aniversário do Jardim Botânico do Rio de Janeiro
http://www.jbrj.gov.br/materias/07_07_2013(1).html

 

 

 

 

 

 

 

voltar à primeira página