Palestra “O Imperial Instituto Fluminense de Agricultura e o Jardim Botânico – 1860-1891”
14/6/2011

A historiadora Begonha Bediaga, do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, falará sobre o tema nesta quinta-feira, 16 de junho, às 10h, no auditório da Escola nacional de Botânica Tropical.

A palestra analisará a trajetória do Imperial Instituto Fluminense de Agricultura (IIFA), instituição de caráter privado criada por integrantes do Estado, proprietários rurais e homens das ciências. O IIFA serviu como espaço de institucionalização de áreas científicas relacionadas à agricultura, como química agrícola, silvicultura, pedologia, meteorologia agrícola, fitopatologia e zootecnia, até que elas constituíssem seus próprios espaços científicos.

Constituíam o IIFA: o Jardim Botânico da Lagoa Rodrigo de Freitas, que adicionou à sua atribuição anterior de pesquisa e espaço de lazer a função de produzir mudas e sementes em grande escala e distribuí-las aos agricultores; a Fazenda Normal, que funcionava como espaço para a prática de experimentações tecnocientíficas; e o Asilo Agrícola, que acolhia órfãos oriundos da Santa Casa de Misericórdia e ensinava-lhes o ofício da lavoura e as primeiras letras. O IIFA publicou, durante 22 anos ininterruptos, a Revista Agrícola, de periodicidade trimestral, destinada à divulgação de temas relacionados com as atividades da lavoura, com vistas a melhorar e aumentar a produção agrícola.

O Imperial Instituto Fluminense de Agricultura e o Jardim Botânico - 1860-1891
Palestrante: Begonha Bediaga (D.Sc.), pesquisadora do Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Quinta-feira, 16/6, às 10h
Auditório da Escola Nacional de Botânica Tropical, Rua Pacheco Leão, 2040, Horto, Rio de Janeiro

 

 

 

 

 

voltar à primeira página