SESC realiza seminário sobre a crise mundial da água com a presença de Fernando Gabeira e Guido Gelli, nos dias 23 e 24 de março
23/3/2009

O arte SESC, localizado na rua Marquês de Abrantes, 99, Flamengo, reúne hoje e amanhã (23 e 24 de março), Fernando Gabeira, Sérgio Besserman, Heloísa Buarque de Hollanda, Ferreira Gullar, Guido Gelli e outros para o seminário “Futuro das Águas”, onde irão debater, sob vieses múltiplos, a crise das águas, discutindo projetos e estratégias que permitam modificar esse cenário e criar perspectivas de um futuro sustentável. O evento é gratuito e aberto ao público.

Um dos principais focos do seminário é debater, de forma integrada, as perspectivas no mundo e no Brasil, sobretudo nos centros urbanos, onde já vive metade da população mundial e quase 80% da brasileira. Para o economista Sergio Besserman: "o aquecimento global, que aumenta a evaporação e modifica o regime e a distribuição das chuvas, será, provavelmente, a principal causa de desabastecimento de água em grandes cidades do mundo". Besserman alerta que 70% das emissões de gases de efeito estufa ocorrem em função da produção ou consumo das cidades.

O modelo de vida adotado nas cidades também é destacado por Henrique Lins de Barros, pesquisador do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, como a principal causa da crise da água. "A produção de produtos descartáveis, uma das características da modernidade, consome enormes quantidades de água que poderia ser utilizada para o consumo das pessoas e, por outro lado, joga no ambiente uma quantidade crescente de lixo que, por sua vez, polui a água."

O enfrentamento da crise passa sobretudo por aspectos econômicos, acreditam os especialistas. "Para isso mudar, infelizmente, o aspecto econômico é preponderante. Infelizmente, a água só será mais valorizada quando passar a ser cobrada. Enquanto não pesar no bolso isso não muda. Tem muito chão pela frente para tomarmos consciência de que o planeta é um só", acredita Guido Gelli, diretor do Jardim Botânico. Mas Sergio Besserman chama atenção para outros fatores: "alcançar a sustentabilidade na gestão dos recursos hídricos é uma questão econômica, mas também política e cultural".
As inscrições para aqueles interessados em assistir ao seminário devem ser feitas pelo site: www.oinstituto.org.br. Serão distribuídas senhas meia hora antes do início das mesas. Confira a programação:

Dia 23/3 - HOJE
17h
Abertura

18h
Mesa 1 – Futuro das águas: impasses e perspectivas
Moderador: Luiz Claudio Costa (Universidade de Viçosa)

Palestrantes convidados:
Marilene Ramos (Secretária de Estado do Ambiente)
Deputado Fernando Gabeira
Guido Gelli (Diretor do Jardim Botânico)
Paulo Canedo (COPPE/ UFRJ)

Dia 24/3 - AMANHÃ
17h
Mesa 2 – As águas e o futuro da cidade
Moderador: Manoel Ribeiro (urbanista)

Palestrantes convidados:
Sergio Besserman Vianna (Presidente da Câmara Técnica de Desenvolvimento Sustentável e Governança Metropolitana - Rio de Janeiro)
Dieter Muehe (UFRJ)
Márcia Panno (Projeto Caminho das Águas /FRM)

19h
Mesa 3 - Imaginário das águas
Moderador: Heloisa Buarque de Hollanda (escritora e editora)

Palestrantes convidados:
Henrique Lins de Barros (CBPF)
Luiz Fernando Duarte (Museu Nacional / UFRJ)
Paulo Herkenhoff (Curador e crítico de arte)
Ferreira Gullar (escritor, poeta e crítico literário)

 

 

 

 

 

volta à primeira página